sábado, 27 de março de 2010

Resenha: O Vendedor de Armas

Quando eu escrevi o preview do romance de Hugh Laurie, já tinha lido pra lá de um terço da obra. Em O Vendedor de Armas, Laurie nos apresenta Thomas Lang, um ex-militar de elite que agora até faz uns bicos, mas nada muito constante.

A história começa com um problema de Lang: ofereceram-lhe 100 mil dólares para que ele matasse um homem. Claro, como homem ético (e por isso ferrado na vida), ele não topou. Mas, como homem ético, ele foi atrás da vítima avisá-lo do perigo. E é nessa que toma uma surra, se apaixona e se vê enrolado numa importante e criminosa conspiração.

O plote não tem lá grandes novidades. Laurie amarra muito bem os acontecimentos, construindo uma narrativa coerente e empolgante. O humor é o grande destaque, evidentemente. Lang é um personagem carismático e engraçado, e o leitor vai se divertir em várias passagens. O problema aqui reside no tipo de humor: caso o leitor não tenha um conhecimento prévio de humor na língua inglesa, repleta de ironias que, muitas vezes, se perdem no texto traduzido.

A capa é bastante chamativa e cumpre bem sua função: revela um título policial, ao mesmo tempo que avisa o toque de humor da obra. Já as páginas internas sofrem um pouco com excesso de texto por página, o que torna a leitura mais lenta.

A tradução está bem cuidada. Num livro adulto, não são necessárias adaptações culturais (essenciais em livros infantojuvenis, por exemplo) e cabe ao leitor se virar para entender algumas passagens, especialmente as de humor. Mas algumas notas explicativas auxiliam na contextualização da obra, que foi escrita em 1996.

O grande problema da edição é a falta de cuidado com o texto. Quem trabalha com livros e têm tempo para cuidar de uma edição, sabe muito bem que um texto traduzido não pode ser publicado sem passar por algumas etapas de revisão sérias, em que se corrigem os erros (normais) cometidos pelo autor/tradutor. Neste caso, o livro foi revisado apenas uma vez, e a qualidade dessa revisão cai com o passar das páginas. No último terço do livro encontrei diversos erros, que infelizmente não anotei para apontá-los aqui.

Se pensarmos que o livro está escrito desde 1996, qual era a pressa da editora Planeta em publicá-lo? Por que não adiar o lançamento para um mês depois e revisá-lo mais, como é de praxe no mercado editorial, o que reduz as chances de erros? Vale lembrar que eu recebi um exemplar da editora Planeta (obrigada!) para avaliação, mas recebi apenas a segunda impressão, em que vários erros foram corrigidos.

O Vendedor de Armas me divertiu muito, mas não dá pra dizer que é uma obra inesquecível – o que, vamos confessar, às vezes pode ser um ponto muito positivo.

Nerdshop:
O Vendedor de Armas, de Hugh Laurie (Editora Planeta)


quarta-feira, 17 de março de 2010

Trailer genérico de todos os ganhadores do Oscar

Um trailer fake genial, assinado pelos humoristas do Cracked.com, com um genérico de todos os possíveis ganhadores do Oscar. Hilário:

segunda-feira, 15 de março de 2010

Scarium 26

A revista Scarium, especilizada em  FC, Terror, Horror e fantasia, publica seu exemplar 26. Com artigos de  Edgar Smaniott, que fala sobre "Steampunk, naves de gerações e seitas" e Cesar Silva,  com o  texto "Hellboymania".

Com os contos: Kaori - Entrevista (Giulia Moon), Anuara Diva  (John Dekowe), O Imortal (Celso Santos), Planeta Andarilho (Renato A. Azevedo), Um Sol para Contemplar (Hugo Vera), Pássaro da Noite (Ana Cristina Rodrigues), A Capsula do Tempo (Luiz Fernando Riesember), Sonhar é Proíbido (Davi Melo), Granizo Púrpura em Céu de Diamantes (Gabriel Boz), Guerra da Água  (Miguel Carqueija).

A capa foi desenhada  por Gabriel Boz.
 

sexta-feira, 12 de março de 2010

Glauco morre em tentativa de assalto

O cartunista Glauco morreu, juntamente com seu filho, esta madrugada em sua casa, vitimado por assaltantes que invadiram sua residencia, em Osasco.

Glauco é conhecido por seus personagens Geraldão (e sua versão infantil, o Geraldinho), Casal Neuras, Doy Jorge, Dona Marta e Zé do Apocalipse, publicado na folha desde 1984.

quinta-feira, 4 de março de 2010

Estamos lendo: O Vendedor de Armas

Recebi, em nome do Homem Nerd, uma cópia do livro O Vendedor de Armas (obrigada, editora Planeta).

Confesso que estava ansiosa para ler o romance de estreia de Hugh Laurie. Primeiro porque sou muito fã de House; segundo, que sei que o seriado é o que é por culpa de Laurie – um artista competente e dedicado.

Laurie é um artista. Participou de uns poucos sucessos no cinema (Stuart Little), ganhou destaque na televisão inglesa com um programa de humor (A Bit of Fry and Laurie) e, na televisão americana, com House. Ele também toca vários instrumentos, canta em vários programas que participa, mesmo House (sempre sem crédito). Um artista, definitivamente.

Assim, me pareceu natural que em algum momento ele se dedicasse à literatura. O Vendedor de Armas é seu romance de estreia. Publicado originalmente em 1997, só agora chegou ao Brasil. O gênero é policial, mas com certeza o grande lance da obra é o humor-Laurie (que eu classificaria como uma mistura entre o humor de sitcoms americanos e o típico humor inglês).

Aguarde para ler a resenha completa aqui no Blog Homem Nerd.